Momento: bomba de Trincão

Nove minutos até ao primeiro golo pareceram uma eternidade, tal a diferença de qualidade entre as duas equipas. A verdade é que Gibraltar fechava todos os caminhos para a sua baliza até que Trincão surpreendeu tudo e todos com um golaço fora da área. O avançado recebeu uma bola de Domingos Quina, ajeitou-a e disparou um remate de belo efeito, com o pé esquerdo, a levar a bola ao ângulo. Estava aberto o caminho para a vitória portuguesa.

Figura: Trincão em três golos

Além de abrir o caminho com o primeiro jogo, o avançado do Sp.  Braga esteve muito ativo e deixou a sua marca em mais dois golos. Antes disso, ainda na primeira parte, esteve por diversas vezes perto de bisar, combinando muitas vezes com Thierry Correia, sobre a direita, para abrir caminho para a área gibraltina, sempre com movimentos de fora para dentro. Já na segunda parte, fez a assistência para o terceiro golo, marcado por Dany Mota, e deu ainda origem ao quarto, com mais uma bomba fora da área que obrigou Hankins a defender para a frente antes de Diogo Queirós atirar a contar.

Outros destaques: confira a FICHA DO JOGO

Thierry Correia

O lateral que trocou o Sporting pelo Valência no último dia de mercado, apresentou-se em excelente forma esta noite, muito ativo sobre o flanco direito, oferecendo profundidade ao ataque de Portugal e permitindo a Trincão procurar um jogo mais interior. Uma disponibilidade física certamente sustentada na titularidade nos primeiros jogos pelo Sporting na temporada. Teve ainda uma oportunidade soberana para marcar, com um remate forte, mas a bola resvalou nas costas de um adversário e foi caprichosamente à trave. Saiu ao intervalo depois de ter sido um dos que mais correu na primeira parte.

Daniel Bragança

Jogou no meio-campo à frente da defesa, na posição de falso «trinco» e, apesar da baixa estatura, cumpriu a missão com distinção, surgindo muitas vezes à entrada da área no apoio ao ataque, tendo inclusive procurado o golo. Procurou rodar o jogo rápido, para as alas, procurando surpreender o fechado adversário.

Dany Mota

Estreia absoluta nas seleções com dois golos e um penálti desperdiçado. Temos avançado. Nascido no Luxemburgo e jogar nos sub-23 da Juventus, era talvez o jogador menos conhecido por Rui Jorge, mas a verdade é que, na primeira oportunidade, foi titular. Um avançado possante e com boa técnica. Movimentou-se muito bem no interior da área, procurou espaços e desequilíbrios. Marcou o segundo golo de cabeça [excelente movimento técnico] e, antes do intervalo, desperdiçou uma grande penalidade, atirando colocado, mas a rasar o poste. Redimiu-se na segunda parte, com mais um golo, agora com um desvio a cruzamento de Trincão. Merece um olhar mais atento.

Ricardo Gouveia / Complexo Desportivo de Alverca