«Alguns morreram em junho, julho. Aos poucos e poucos perdi a esperança. Fiquei sozinho»





De aspirante a jornalista a fundador do clube





«Um dia contou-me que tinha a ideia de fazer algo para ocupar o muito tempo livre que tinha agora. Perguntei-lhe o que mais gostava de fazer e respondeu-me: jogar futebol»





«Quando estamos a jogar futebol podemos esquecer o passado. Sinto-me feliz ali, como se estivesse no céu. É verdade que não ganhámos, mas as pessoas aceitaram jogar connosco. Não tiveram problemas em tocar-nos. São os nossos irmãos»

Fim da epidemia declarado na semana passada mas consequências perduram


«Facilitar a reintegração dos jovens sobreviventes na sua comunidade, promovendo a união através de um desporto muito amado no país».

«reduzir o medo e o estigma social».











«Se o meu pai fosse vivo estaria orgulhoso de mim. As coisas ficaram difíceis, mas ainda não estamos mortos. Por isso, desde que consiga viver, tenho de ter esperança»