O vento forte derrubou esta sexta-feira o “teto falso” da cobertura exterior de um posto de abastecimento de combustíveis em Esposende, danificando duas viaturas que estavam a abastecer, disse fonte dos bombeiros.  A Proteção Civil registou mais de 100 ocorrências desde a meia-noite, devido ao mau tempo.

Segundo a fonte dos bombeiros de Esposende, o incidente, registado pelas 11:00, no posto da Repsol, na cidade, não provocou quaisquer feridos.

O “teto falso”, essencialmente em chapa, danificou ainda as “bombas” de abastecimento de combustíveis, pelo que o posto está encerrado.

Em Espinho, a queda de parte da cobertura de um pavilhão de uma escola obrigou à evacuação deste estabelecimento de ensino e à suspensão das aulas.

Já no distrito de Coimbra, uma derrocada devido ao mau tempo obrigou esta sexta-feira ao corte da Estrada Nacional 110, entre Rebordosa e Foz do Caneiro, em Penacova.

Segundo o jornalista da TVI24 no local João Bizarro, as encostas nesta região estão a ceder à pressão das águas. Como alternativa, os condutores podem utilizar o IP3.

Em Sintra, na Grande Lisboa, registou-se a derrocada de um muro na Tapada das Mercês, provocada pelas chuvadas da última noite e pela sobrecarga dos solos, segundo a câmara. A TVI24 também esteve neste local. (veja as imagens e as explicações vídeos associados a este artigo).

Mais a norte, em Famalicão, uma árvore de grande porte caiu no centro da cidade, obrigando ao corte do trânsito na Avenida Marechal Humberto Delgado no sentido Norte-Sul.

A Proteção Civil registou mais de 100 ocorrências desde a meia-noite.

Os distritos onde foram registadas mais ocorrências foram Coimbra (28), Porto (24), Viseu (10), Lisboa (6), Setúbal (6), Aveiro (5),Viana do Castelo (5), Leiria (4) e Braga (4).

Segundo dados da ANPC, as ocorrências dizem respeito a quedas de árvores, movimento de massas, limpezas de via e sinalização de perigo, queda de estruturas temporárias ou móveis, de elementos de construção, desabamento de estruturas edificada e inundações de estruturas ou superfícies por precipitação intensa.

 

Mar destrói dunas e passadiços na Praia de Mira

No Bairro Norte da Praia de Mira, o mar avançou nas últimas horas, destruindo defesas das dunas e passadiços de recreio, a cerca de 40 metros das casas, confirmaram os serviços de Proteção Civil.

O mar agitado está "a comer a duna", segundo a descrição do presidente da câmara de Mira, Raul Almeida, que está no local acompanhado por técnicos municipais da Proteção Civil e da Administração da Região Hidrográfica do Centro. A situação está a ser também monitorizada pela Agência Portuguesa do Ambiente.

O mar violento, com vagas de grande altura e extensão, está a desfazer a base do cordão dunar naquela zona, arrastando os chamados "big-bags", que ali foram colocados há meia dúzia de anos para solidificar as dunas. Como o nome indica, os "big-bags" são sacos de areia compactada, de grandes dimensões, enterrados na base das dunas para contrariar a erosão e solidificar a costa arenosa.

A agência Lusa constatou no local que a força do mar arrastou os "big-bags", espalhando-os na zona de rebentação. O areal praticamente desapareceu na ponta norte do Bairro Norte. Também parte dos passadiços foram arrastados pelas águas. Apesar da proximidade das águas não há, para já, casas em perigo, relata o autarca.

Temos de monitorizar o que está a acontecer e responder às situações urgentes. Mas é preciso haver consciência, sobretudo a nível governamental, que quando o mau tempo passar será preciso fazer obras que protejam os bens e as pessoas", avisa Raul Almeida.

O litoral entre a Praia da Barra e a Praia de Mira é dos mais afetados do país pela erosão costeira. Nos últimos anos foram feitas diversas obras de proteção do sistema dunar entre Ílhavo e Mira.

Portugal continental está a ser afetado pelos efeitos da depressão “Helena”, centrada a noroeste do golfo de Biscaia, Espanha.

Esta depressão vai afetar Portugal Continental em particular no que respeita ao vento e à agitação marítima na costa ocidental.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) oito distritos vão estar entre as 12:00 e as 21:00 desta sexta-feira sob aviso vermelho devido à previsão de agitação marítima.

Além do vermelho para a agitação marítima, o IPMA emitiu avisos laranja e amarelo para hoje e sábado de vento para todos os distritos de Portugal continental, exceto Évora, e de neve para Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Aveiro e Coimbra.