A Autoridade Marítima vai reforçar os meios de vigilância e salvamento no Algarve durante a época balnear que começa esta terça-feira, com as praias da região a contarem com 514 nadadores-salvadores, disse à Lusa fonte oficial.

Em declarações à Lusa, o comandante da Zona Marítima do Sul, o dispositivo existente desde o início de abril ao longo dos cerca de 200 quilómetros da costa algarvia "é reforçado com equipas de várias valências" para garantir a segurança das praias até ao dia 30 de setembro.

“O reforço incide nos projetos ‘SeaWatch’ de vigilância motorizada, praia segura de vigilância apeada, tripulantes das estações salva-vidas, que têm por missão as patrulhas náuticas, e de um sistema de informações para a gestão da capacidade dos espaços balneares pelos capitães de porto”, especificou Fernando Rocha Pacheco.

Nos quatro meses de época balnear, as missões de vigilância e de salvamento serão asseguradas por 29 tripulantes, distribuídos por seis viaturas todo-o-terreno ‘Amarok’, quatro motos aquáticas (salvamento) e os meios náuticos das estações salva-vidas da região algarvia.

Além deste dispositivo, haverá também um total de 514 nadadores-salvadores nos areais balneares, “elementos que os concessionários das praias têm obrigatoriamente de implementar para vigilância e salvamento marítimo dos banhistas durante toda a época balnear”.

À semelhança do que sucedeu no ano passado, será reforçada a vigilância apeada por motivos da lotação das zonas balneares devido à pandemia da covid-19.

"Esse reforço será repetido este ano para a salvaguarda das pessoas e para a sensibilização das boas práticas na saúde”, apontou o também capitão do porto de Faro.

Fernando Rocha Pacheco aproveitou para apelar a que os banhistas “pensem na sua segurança individual e coletiva, e respeitem as normas que estão definidas, nomeadamente, nos distanciamentos físicos, higienização e uso de máscara”.

As regras aplicadas na época balnear de 2020 devido à pandemia da covid-19 vão manter-se este ano, com exceção das relativas à atividade desportiva no areal ou à utilização de alguns equipamentos de lazer nas praias.

As restantes medidas, como a necessidade de uso de máscara no acesso aos cafés ou restaurantes e às casas de banho e a não necessidade de uso de máscara no areal mantêm-se.

Já o incumprimento das regras relativas ao acesso e ocupação das praias passa a estar este ano sujeito a um regime contra-ordenacional.

No Algarve, são 87 as praias com bandeira azul, permanecendo como a região portuguesa com maior número de galardões, de acordo com o Programa Bandeira Azul.

Estão distribuídas pelos concelhos de Albufeira (24), Loulé (11), Vila do Bispo (11), Portimão (sete), Lagoa (seis), Vila Real de Santo António, Tavira, Olhão, Faro e Aljezur com quatro, Castro Marim com três e Silves com duas.

Por outro lado, a associação ambientalista Quercus atribuiu este ano o prémio Qualidade Ouro a 93 praias do Algarve, mais 17 do que no ano passado, sendo a segunda região portuguesa com mais praias galardoadas com a distinção.

. / RL