A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) vai desconvocar o primeiro de dois períodos de greve que tinham início este mês, uma forma de “criar espaço para as negociações” com o Governo.

A presidente da Associação Sindical, Lúcia Leite, disse à agência Lusa que vai ser desconvocado o primeiro período de greve dos enfermeiros, que estava previsto entre 7 de janeiro e 20 de fevereiro, mas mantém-se por enquanto o pré-aviso para o segundo período de greve, de 14 de janeiro a 28 de fevereiro.

A ideia destes períodos de greve convocados pela ASPE era replicar o modelo da greve cirúrgica que decorreu em blocos operatórios de hospitais públicos entre dia 22 de novembro e final de dezembro e que levou ao cancelamento de cerca de 10 mil cirurgias, segundo os sindicatos.

Tanto a ASPE como o Sindicato Democráticos dos Enfermeiros (Sindepor), as duas estruturas que convocaram a greve cirúrgica, vão reunir-se na quinta-feira com a estrutura negocial do Governo.

Desconvocar este primeiro período de greve é uma forma de manifestar disponibilidade para a negociação e de dar mais uma semana ao Governo para chegarmos a um entendimento, criando um espaço para a negociação”, afirmou Lúcia Leite em declarações à Lusa.

Os enfermeiros reivindicam uma carreira, que contemple a categoria de enfermeiro especialista, além de exigirem uma redução na idade da reforma.

Para a primeira greve cirúrgica, um movimento de enfermeiros conseguiu angariar mais de 360 mil euros para financiar os grevistas, numa recolha de fundos através de uma plataforma na internet. Atualmente decorre outra recolha de fundos que pretende angariar mais de 400 mil euros até ao dia 14 de janeiro e que até hoje ao início da tarde tinha mais de 160 mil euros.

Sindepor também cancelou greve geral da próxima semana

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) desconvocou esta quarta-feira a greve geral que estava anunciada para a próxima semana, de 08 a 11 de janeiro.

Em comunicado, a estrutura sindical justifica a decisão com a disponibilidade para negociar "mais uma vez" com o Governo sobre a carreira de enfermagem e para não prejudicar doentes.

O Sindepor, que reclama a categoria de enfermeiro especialista na carreira, volta à mesa das negociações na quinta-feira.

Este sindicato foi uma das duas estruturas que estiveram na origem de uma greve de mais de um mês nos blocos operatórios de cinco hospitais e que terminou na segunda-feira levando ao cancelamento de milhares de cirurgias.