Os quatro homens suspeitos de raptarem em maio um estudante universitário angolano, na área de Sintra, estão proibidos de contactarem entre si e com apresentações periódicas às autoridades, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

A Unidade Nacional Contra-Terrorismo da PJ deteve, na terça-feira, quatro homens, com idades entre os 25 e os 33 anos, suspeitos de raptarem um estudante angolano na via pública e com violência tendo-o mantido em cativeiro durante várias horas, torturado, agredido e ameaçado.

Segundo a PJ, o rapto teve “o objetivo consumado” de ser extorquida ao estudante angolano uma quantia em dinheiro.

Os arguidos foram presentes, esta quinta-feira, no Tribunal de Instrução Criminal de Sintra para primeiro interrogatório judicial e aplicação da medida de coação.