O advogado detido, na segunda-feira, por suspeita de ter encomendado a um grupo violento um assalto armado a casa de um casal, em Ribeirão, Famalicão, vai aguardar julgamento em prisão preventiva.                                        

O jurista, detido pela PSP de Lisboa, sabia que as vítimas guardavam, dentro de um cofre, um fortuna em joias e dinheiro, conforme apurou a TVI junto de fontes policiais.

O grupo de assaltantes estava sob escuta no âmbito de outra investigação, sabe também a TVI, e foi numa dessas chamadas telefónicas que caiu o advogado a sugerir-lhes o assalto a uma casa que conhecia, com o objetivo de depois dividirem os proveitos do crime.

Os quatro assaltantes avançaram para o roubo em Novembro passado, tendo agredido e ameaçado de morte as vítimas. Roubaram 16 mil euros em dinheiro e ouro avaliado em cerca de 30 mil euros. 

Durante a noite, o casal de 62 e 65 anos foi atacado pelos quatro homens encapuzados, conforme contaram na altura: “Ouvi um barulho muito esquisito, coisas a bater, algo muito estranho. Olho e vejo dois encapuzados, que me mandaram estar calada”, disse a mulher.

O grupo trancou-a numa das divisões da casa, enquanto agredia brutalmente o marido por resistir ao assalto. Este recusou-se inicialmente a dar o código do cofre, tendo sofrido por isso ferimentos graves e ameaças de morte.

Disseram-me: ‘vamos matar o teu marido, vamos matá-lo’! O meu marido já estava cheio de sangue e deitado de barriga para baixo", contou a vítima. Entretanto o dono da casa acabou por ceder e entregou o código aos assaltantes, que se puseram em fuga com o dinheiro e ouro.

A vítima das agressões teve de ser internada no Hospital de Braga.

Os cúmplices também se encontram em prisão preventiva.

Anabela Vaz Jacinto