O militar do Exército que tinha sido sujeito a um transplante de fígado "já teve alta", mas ainda não são conhecidas as causas do internamento, informou, esta quarta-feira, à agência Lusa a porta-voz daquele ramo das Forças Armadas.

De acordo com a major Elisabete Silva, o militar que foi sujeito a um transplante de fígado - depois de se ter sentido mal durante uma prova, em 14 de maio, em Santa Margarida da Coutada, no distrito de Santarém - "já teve alta do Hospital Curry Cabral", em Lisboa.

A porta-voz do Exército esclareceu também que ainda não há "conhecimento sobre as causas" do incidente e que "continuam a decorrer as diligências".

Na altura do internamento, a major Elisabete Silva tinha adiantado que o agravamento da função hepática do militar justificou a cirurgia e que a informação transmitida inicialmente de que o militar teria sofrido um golpe de calor estava descartada.

Os restantes militares que frequentam o mesmo curso do militar que esteve até agora internado e realizaram a prova em Santa Margarida foram submetidos a uma colheita de sangue, no âmbito de um processo de averiguações das causas da ocorrência.

Relativamente à avaliação clínica dos 164 militares que efetuaram análises clínicas no âmbito do curso de promoção a cabo, apresentam valores normais sem relevo clínico”, esclareceu.