Um helicóptero caiu hoje em Sobrado, concelho de Valongo, Porto, durante o combate a um incêndio, disse fonte do INEM. O piloto morreu, apurou a TVI.

O piloto era comandante dos Bombeiros Voluntários de Cete. Tinha 34 anos, era piloto-aviador da Força Aérea Portuguesa onde fazia busca e salvamento, apurou a TVI.

O helicóptero embateu com linhas de alta tensão e o piloto ficou encarcerado antes de a aeronave se incendiar.

De acordo com as informações do comandante distrital da proteção civil do Porto, o piloto era o único tripulante do helicóptero, 

A brigada de operacionais de combate a incêndio estaria fora do helicóptero, teriam ficado em solo”, adiantou Carlos Alves à Lusa.

A TVI sabe que o helicóptero era da Afocelca, uma empresa que cede bombeiros especializados à proteção civil e para a qual a vítima trabalhava, e tinha saído de Coimbra com quatro elementos.

O alerta para o incêndio foi dado pelas 16:05.

Segundo informação da Proteção Civil, no combate às chamas estavam 47 operacionais, apoiados por 10 viaturas e dois meios aéreos.

Segundo a página oficial, a Afocelca é um agrupamento complementar de empresas do grupo The Navigator Company e do grupo ALTRI, que com uma estrutura profissional tem por missão apoiar o combate aos incêndios florestais nas propriedades das empresas agrupadas, em estreita coordenação e colaboração com a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

A Afocelca emitiu um comunicado em que confirmou a morte de um dos seus colaboradores. 

Helicóptero que caiu em Valongo ficou "completamente tomado pelas chamas"

O helicóptero que caiu esta tarde em Valongo, provocando a morte ao piloto, ficou “completamente tomado pelas chamas”, disse aos jornalistas o comandante distrital da proteção civil de Valongo.

O helicóptero ficou completamente tomado pelas chamas. Agora, não sabemos se se incendiou ainda no ar ou se no momento da queda”, referiu o comandante no local.

Bruno Fonseca explicou que o helicóptero estava a fazer combate às chamas, acompanhado por uma brigada de operacionais que fez o desembarque minutos antes do acidente.

Neste tipo de situações, o comandante salientou que o piloto vem sempre acompanhado de uma equipa que fica em terra.

Gabinete de investigação de acidentes com aeronaves envia equipa a Valongo

Uma equipa do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) está a caminho de Valongo, onde esta tarde caiu um helicóptero, causando a morte do seu piloto, adiantou à Lusa o diretor.

"Fomos notificados do acidente e uma equipa de investigação está a caminho para recolha de evidências", disse à Lusa Nelson Oliveira, diretor do GPIAAF.

O responsável explicou que "nem sempre há uma deslocação" ao local pelo Gabinete, mas "atendendo às circunstâncias" do acidente em Valongo, nomeadamente a "aeronave danificada" e a morte do piloto, justifica-se a mobilização de uma equipa.

PR dirige condolências aos familiares do piloto

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, dirigiu condolências aos familiares de piloto que perdeu hoje a vida num combate a um incêndio em Sobrado, Valongo.

Segundo a página oficial da presidência, "foi com grande consternação que o Presidente da República acabou de receber a trágica notícia que dá conta da queda de um Celca durante o combate a um incêndio na zona de Valongo, da qual resultou, infelizmente, a perda de vida do piloto, dirigindo por isso aos seus familiares e amigos uma palavra de sentidas condolências".

O Presidente da República quer ainda agradecer a todos os homens e mulheres que estão no terreno, mesmo perante um momento tão difícil como o da perda de um colega e concidadão, por continuaram a sua exigente missão de proteger o próximo", acrescenta a mensagem.