“Em resultado exclusivamente do processo disciplinar, a Força Aérea Portuguesa rescindiu unilateralmente com o militar que esteve em ausência ilegítima e que subsequentemente se constituiu na situação de desertor. Desde fevereiro, nunca foi possível apurar oficialmente o seu paradeiro”, explicou a Força Aérea Portuguesa.








Redação / MM