As escolas foram autorizadas, neste domingo, a gastar cerca de 20 milhões de euros em testes rápidos, com vista ao regresso ao ensino presencial, anunciou o Governo, após aprovação em Conselho de Ministros.

O Conselho de Ministros aprovou hoje, de forma eletrónica, uma resolução que autoriza a realização de despesa, por parte da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e do conselho diretivo do Instituto da Segurança Social, I. P., com a aquisição de serviços de realização de testes rápidos de antigénio em estabelecimentos de educação e ensino públicos e em respostas sociais de apoio à infância do setor social e solidário, até ao montante global de €19.802.880,00", indica o executivo, em comunicado.

A autorização surge quatro dias antes do anúncio do plano de desconfinamento, com o Governo a assumir, desde já, o regresso ao ensino presencial, de forma gradual.

O Governo pretende preparar a reabertura gradual e sustentada das atividades presenciais, dando continuidade à implementação da Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2", pode ler-se, ainda.

A norma da Direção-Geral da Saúde sobre a Estratégia Nacional de Testes, atualizada no dia 26 de fevereiro, prevê que os “testes à SARS-CoV-2 vão abranger todas as escolas de Portugal continental e contemplar a amostra de saliva para a realização dos rastreios laboratoriais”.

A norma indica que “são recomendados rastreios laboratoriais regulares (de 14 em 14 dias) nos estabelecimentos de ensino ao pessoal docente e não docente” e que a incidência da testagem nas escolas prevê recolhas em concelhos com incidência cumulativa a 14 dias superior 120 por 100 mil habitantes.

As escolas estão encerradas desde 22 de janeiro.

Veja também:

Catarina Machado