Uma empresa criou um puxador para abrir portas sem uso das mãos, para prevenir a propagação da covid-19, e na próxima semana vão ser instalados mil em hospitais, que pedem mais 4.500 só para a região centro.

O “porteiro” surgiu da vontade dos responsáveis de uma empresa de design e produção, de raízes escandinavas mas que está a instalar-se em Portugal, de contribuir para a luta contra o novo coranavírus, que provoca a doença covid-19, explicou à Lusa a representante da empresa em Portugal, Helena Soares.

Criada a ideia, a produção está a ser feita em Portugal e o “porteiro” pode ser instalado em qualquer tipo de maçaneta, evitando contactos com as mãos, disse a responsável.

O dispositivo, simples e em metal lacado, permite a abertura de portas com os braços e na próxima terça-feira o Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH), recebe gratuitamente para o Serviço Nacional de Saúde um lote de mil kits com o material para instalar o “porteiro”, que diz a responsável se instala em menos de cinco minutos.

Helena Soares disse à Lusa que o SUCH estimou que só para a zona centro serão necessários pelos menos mais 4.500 e acrescentou que não param de chegar mais pedidos de hospitais.

A representante da empresa salientou que o “porteiro” não é apenas destinado a hospitais e centros de saúde, mas pode ser utilizado em qualquer edifício de utilização múltipla de pessoas, desde restaurantes a lares. Helena Soares disse que no início da próxima semana vão ser instalados os primeiros 10 puxadores de porta mãos livres no Centro Social Paroquial de Colares.

A ação em Colares é simbólica, como será simbólica a colocação de “porteiros” na terça-feira no Hospital de S. José, em Lisboa, depois da entrega dos mil kits ao SUCH.

A empresa, Shaftmodule, projeta, constrói e instala soluções pré-fabricadas para edifícios, mas quis contribuir para o regresso à normalidade em segurança, tanto mais que estão a recomeçar as visitas a hospitais ou lares, salientou Helena Soares à Lusa.

“Se não tocarmos nas maçanetas não propagamos vírus nem germes. Acreditamos que uma aplicação generalizada do ´porteiro´ poderá ajudar na prevenção de um novo surto de covid-19”, disse a responsável.

A representante explicou também que o produto é feito em Portugal, mas que foi concebido por uma equipa finlandesa, e disse que o “porteiro” já está também a ser instalado em outros países, oferecido a entidades não lucrativas, ainda que os responsáveis da empresa admitam no futuro a comercialização.

“Para já o objetivo é ajudar os hospitais, julgamos que pode ter um papel muito importante no aparecimento de um novo surto de covid-19 no outono, e temos tempo para colocar milhares de ´porteiros´”, frisou Helena Soares.

/ AM