Paulo Cafôfo, presidente do PS Madeira que liderou a câmara do Funchal entre 2013 e 2019, é suspeito de crimes como corrupção passiva, participação económica em negócio, prevaricação e abuso de poder, sabe a TVI

A par de Cafôfo, principal figura do PS na Madeira, há mais suspeitos dos mesmos crimes - presidentes de outras três câmaras da ilha (uma delas Ponta do Sol), e empresários da construção civil e responsáveis por empresas de publicidade e marketing, por exemplo. Também esses foram esta manhã alvo de buscas da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ.

Em causa, contratos de contratações públicas das empresas, por ajuste direto - sendo que há suspeitas de falsas prestações de serviço, por um lado, e de valores inflacionados na prestação de serviços, por outro.

O objetivo, segundo denúncias que chegaram ao Ministério Público, passa sobretudo pelo financiamento ilegal do PS Madeira, através de dinheiros públicos.

PS/Madeira "disponível para colaborar" na investigação

O presidente do PS/Madeira declarou esta quinta-feiraque o partido “está totalmente disponível para colaborar com as autoridades judiciais” na investigação que está em curso pela Polícia Judiciária envolvendo quatro autarquias da região.

O PS/Madeira está totalmente disponível para colaborar com as autoridades judiciais no âmbito de uma investigação em curso que tem por base uma denúncia ‘online’, que remonta a 2018”, diz Paulo Cafôfo num comunicado enviado à agência Lusa.

Sem especificar os municípios em causa, o líder dos socialistas madeirenses acrescenta que “o PS/Madeira tudo fará para contribuir para o célere apuramento dos factos em análise”.

O dirigente vinca que a “atuação na vida pública do partido assenta nos valores da responsabilidade, ética e transparência e pelo estrito cumprimento da lei, valores democráticos e de cidadania centrais desde a criação do partido, e dos quais não abdica em momento algum”.

Henrique Machado