Subiu para cinco o número de vítimas mortais do surto de covid-19 no lar da Santa Casa da Misericórdia de Bragança, sabe a TVI.

Trata-se de uma utente de 95 anos. Todas as vítimas mortais deste surto são mulheres, com idades a partir dos 78 anos.

No total, há, ainda, 97 utentes e 26 funcionários infetados.

Entre os utentes que testaram positivo há oito que estão internados no hospital de Bragança.

O surto, conhecido há três semanas com o primeiro caso positivo numa funcionária, levou à testagem de quase 700 pessoas entre utentes e trabalhadores, faltando apenas conhecer os resultados de cerca de 24 testes.

Segundo a instituição, o surto ficou circunscrito aos três lares de idosos, onde foram feitos mais de 300 testes e mais de um terço deram positivo, a esmagadora maioria entre os utentes.

Nas restantes valências, nomeadamente Unidade de Cuidados Continuados, Centro de Educação Especial, infantários e escolas, não houve casos positivos, de acordo ainda com informação da instituição.

O porta-voz, José Fernandes, afirmou, na quinta-feira, que a instituição reconhece que falhou no surto que afeta essencialmente os lares de idosos.

Os resultados dos testes têm revelado que o foco se concentrou nos três lares de idosos da Misericórdia e o porta-voz, que faz parte também da direção, admitiu que houve falhas, que a instituição está a refletir sobre o que se passou e que fará as correções necessárias.

Com os trabalhadores em quarentena ou em isolamento profilático, começam a evidenciar-se as necessidades de recursos humanos que estão a ser colmatadas com uma brigada de intervenção rápida e uma equipa médica e de enfermagem.

O porta-voz da Misericórdia explicou que a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste disponibilizou uma equipa de quatro médicos e três enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde que começou a trabalhar na instituição na manhã de hoje.

A Misericórdia de Bragança é a maior instituição social e um dos maiores empregadores do Nordeste Transmontano e é também aquela onde ocorreu o maior surto de infeção pelo novo coronavírus na região, desde o início da pandemia.

O distrito de Bragança regista um total de mais de 900 casos de infeção confirmados e 35 mortes associadas à covid-19, desde março.

Ana Borges Pinto / com Lusa