(Em atualização)

Os médicos cumprem desde as 00:00 desta quarta-feira uma greve nacional de dois dias contra a falta de medidas do Governo em várias matérias, como redução dos utentes por médico de família e diminuição de horas em urgência.

Consultas e cirurgias programadas devem ser as mais afetadas nestes dois dias de greve, com os profissionais a cumprirem obrigatoriamente os serviços mínimos, que contemplam as urgências, quimioterapia e radioterapia ou transplantes.

A paralisação foi convocada pelos dois sindicatos médicos e é a primeira destes profissionais de saúde que enfrenta o ministro Adalberto Campos Fernandes.

Eis a lista dos serviços afetados em algumas cidades do país:

Lisboa

- Adiamentos de consultas no Hospital de S. José: alguns dos utentes que chegaram esta quarta-feira para as primeiras consultas tiveram de as remarcar para outro dia.

- No Centro de Saúde de Sete Rios, a maior parte dos utentes que saíram esta quarta-feira de manhã estavam satisfeitos, pois tinham tido consulta.

Porto

- Consultas externas do Hospital de São João com menos movimento, mas estão a realizar-se consultas de várias especialidades: são disso exemplo Cardiologia, Urologia e Gastroenterologia, ao passo que em Dermatologia, várias pessoas queixam-se por não serem atendidas.

Portimão

-  Impacto da greve dos médicos foi pouco significativo esta quarta-feira de manhã no hospital de Portimão, onde as consultas externas decorreram com relativa normalidade, embora algumas tenham sido canceladas e adiadas.

Ponta Delgada

- Serviço de consultas externas do Hospital de Ponta Delgada estava, cerca das 10:30 locais, a funcionar a 50%, enquanto a realização de exames se encontrava condicionada.

- Serviço de urgência do hospital estava, à mesma hora, a ser assegurado e “a funcionar normalmente”, enquanto o bloco operatório estava a funcionar com uma cirurgia.