A marcha lenta no IC2, entre a Benedita (Leiria) e Aveiras (Lisboa), obrigou centenas de veículos a percorrerem lentamente perto de 40 quilómetros, naquela que os promotores do protesto chamam a “estrada da vergonha”.

Numa paragem na “curva da morte”, junto ao Alto da Serra, no concelho de Rio Maior (Santarém), para deposição de uma coroa de flores, que se juntou à meia dezena, já secas, que sinalizam algumas das vítimas mortais naquele local, o porta-voz do protesto, José Belo, lembrou que este é apenas um dos pontos onde todos os dias acontecem acidentes.

Com cartazes afixados nos vidros dos carros e camiões que aderiram ao protesto reivindicando “Obras no IC2 Já” e pedindo “'Stop' aos acidentes, mortes, feridos e danos nas viaturas” na “estrada da vergonha”, a marcha lenta faz-se agora nos dois sentidos, com o grupo que partiu da Benedita às 07:00 de regresso, esperando cruzar-se a meio caminhou com o que saiu da Benedita às 09:00.

Fonte da GNR considerou à Lusa que não se registaram até ao momento "constrangimentos" no trânsito, apesar de este se estar a fazer lentamente neste troço do IC2, que culmina no nó de acesso à A1 em Aveiras.

Normalmente, este percurso de 40 quilómetros é percorrido em cerca de 40 minutos, sendo que hoje, devido à marcha lenta, os automobilistas estão a demorar aproximadamente duas horas.

José Belo disse à Lusa que as “retas da morte e as curvas da morte” não se cingem ao troço do IC2 entre Freires (Benedita, Leiria) e Asseiceira (Rio Maior, Santarém), para o qual estão anunciadas obras há anos, estendendo-se até Aveiras (Azambuja, Lisboa).

“Não dá para aguentar mais. A cada dia que passa são mais acidentes que acontecem – ontem mesmo [quinta-feira] aconteceu mais um acidente - e isto é um constante, um ‘ai Jesus’, estamos todos os dias à espera quando é que nos calha a nós, porque é muito fácil neste troço ter acidentes”, declarou.

Para o porta-voz dos Utentes do IC2, o anúncio repetido de previsão do avanço da empreitada por parte da Infraestruturas de Portugal (IP) “faz lembrar a história das [obras nas] capelas que nunca mais terminam”.

“Reparem neste troço, é betão, com buracos, e eles querem pôr alcatrão a tapar buracos em cimento. Isto não cola. Os buracos abrem novamente e é constantemente isto”, disse, referindo-se à declaração da IP de que, enquanto não avança a empreitada prevista no seu Plano de Proximidade, está “a promover a realização de trabalhos pontuais de conservação do pavimento”, de forma “a mitigar os problemas de sinistralidade que ali se têm registado”.

IP reafirma intenção de lançar concurso 

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse, na quinta-feira, que está previsto para este ano o lançamento do concurso público da empreitada de beneficiação do troço do Itinerário Complementar 2 (IC2) entre Asseiceira (Rio Maior) e Freires (Benedita).

Em resposta à Lusa, a IP afirmou que, enquanto não avança a empreitada prevista no seu Plano de Proximidade, está “a promover a realização de trabalhos pontuais de conservação do pavimento no âmbito do Contrato de Conservação Corrente, de forma a mitigar os problemas de sinistralidade que ali se têm registado”.

Os promotores da marcha lenta declaram-se “cansados” de esperar por uma obra prometida há vários anos e que representa um perigo permanente para quem nela circula.

A IP deliberou em outubro de 2015 proceder ao lançamento do procedimento pré-contratual necessário à contratação da empreitada denominada "IC2/EN1 - Beneficiação entre Asseiceira (KM 65+200) e Freires (KM 85+500)", pelo valor de 7,5 milhões de euros, que, na altura, faseou pelos anos de 2016 (1,15 milhões de euros) e 2017 (6,35 milhões de euros).

O lançamento do concurso voltou a estar previsto até ao final de 2018, tendo sido estimado o início da empreitada no segundo semestre deste ano, “condicionado, todavia, à obtenção da autorização de encargos plurianuais, solicitada em agosto”, como admitiu a empresa na resposta a uma questão do município de Rio Maior.

Num comunicado emitido na quinta-feira, a IP refere a previsão de lançamento do concurso público “ainda este ano”, com um preço base de 7,5 milhões de euros e um prazo de execução de 450 dias.

“Trata-se de uma intervenção que atravessa os concelhos de Rio Maior e Alcobaça, nos distritos de Santarém e Leiria, desenvolvendo-se numa extensão total de cerca de 20,3 quilómetros”, afirma a nota.

Segundo a empresa, a empreitada prevê a reabilitação integral do pavimento, o reforço e reabilitação do sistema de sinalização (horizontal e vertical), dos equipamentos de segurança da estrada e do sistema de guiamento e balizagem, beneficiação global do sistema de drenagem da via e reformulação de cinco intersecções de nível, com construção de rotundas.

“Ciente da importância desta obra para a garantia das condições de segurança nesta estrada, que constitui um dos principais corredores nacionais (IC2), até à efetivação da empreitada em cima mencionada, a IP está a promover a realização de trabalhos pontuais de conservação do pavimento no âmbito do Contrato de Conservação Corrente, de forma a mitigar os problemas de sinistralidade que ali se têm registado”, afirma a nota.

O troço em que decorre o protesto atravessa os concelhos de Alcobaça (distrito de Leiria), Rio Maior (Santarém) e Azambuja (Lisboa).

O IC2 liga Lisboa ao Porto, funcionando como uma variante à Estrada Nacional n.º1.

A elevada sinistralidade tem motivado vários apelos ao longo dos últimos anos, incluindo na Assembleia da República, a exortar para uma “requalificação urgente” dos troços mais perigosos do IC2.