A GNR descobriu 46 toneladas de amianto armazenadas em local impróprio, anunciou a Guarda neste sábado.

No decorrer de uma ação de fiscalização, no Porto e em Faro, na quinta e sexta-feira, foram "detetadas irregularidades no armazenamento de 46 toneladas de resíduos de amianto em local não licenciado", sendo esta uma "contraordenação ambiental muito grave".

O responsável pelo amianto incorre numa multa que pode chegar aos 5 milhões de euros e nunca inferior a 24 mil euros.

As referidas fiscalizações foram levadas a cabo pelos militares das estruturas SEPNA dos referidos Comandos Territoriais, numa ação integrada e multidisciplinar envolvendo elementos da Agência Portuguesa para o Ambientes (APA), Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e elementos da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), tendo sido detetadas irregularidades ao nível do armazenamento de 46 toneladas de resíduos de amianto em local não licenciado", indica a GNR, em comunicado..

O amianto é uma fibra natural proveniente de vários minerais e a sua perigosidade para a saúde reside na inalação das suas fibras.  

A presença de amianto num edifício não constitui, por si só, um risco para a saúde. O perigo está associado à danificação de materiais que o contêm, pelo potencial de libertação de fibras, inalação e posterior alojamento nos pulmões", explica a Guarda.

A GNR alerta, ainda, que a remoção, transporte e armazenamento dos materiais com amianto deve ser "feita por especialistas, obedecendo a um conjunto de requisitos obrigatórios"

Catarina Machado