A terceira dose das vacinas contra a covid-19 das farmacêuticas Pfizer e Moderna já está a ser administrada aos doentes imunossuprimidos em Portugal. A informação foi adiantada à TVI, por fonte da task force.

A recomendação da Direção-Geral da Saúde foi dada no dia 1 de setembro, que deixa como elegíveis para reforço da vacinação as pessoas que foram vacinadas durante um período de imunossupressão grave, "nomeadamente as que realizaram transplantes de órgãos sólidos, pessoas com infeção VIH com contagem de linfócitos T-CD4+ <200/µL, doentes oncológicos e pessoas com algumas doenças auto-imunes que tenham efetuado tratamentos referidos na Norma".

A dose de reforço só deverá ser dada a pessoas com imunossupressão sob orientação e prescrição de um médico assistente.

Esta recomendação engloba pessoas com mais de 16 anos e com condições específicas, que, segundo os vários estudos e opiniões de especialistas, têm tendência a perder anticorpos de forma mais rápida quando comparadas com outras pessoas sem condições adjacentes.

Apesar de vários avisos de organizações internacionais, com a Organização Mundial de Saúde (OMS) à cabeça, a administração da terceira dose avança já em vários países, nomeadamente naqueles que são considerados como mais desenvolvidos.

Para a OMS, existe uma disparidade de critérios, até porque muitos dos países mais pobres têm grande parte da população por inocular com a primeira dose.

António Guimarães