A covid-19 justifica menos de metade das mortes em excesso do último mês face à média dos últimos cinco anos, revelo o Instituto Nacional de Estatística (INE) nesta sexta-feira, na sua mais recente análise da mortalidade em Portugal.

Os dados preliminares revelados indicam que "46,5% do acréscimo de óbitos entre 5 de outubro e 1 de novembro relativamente à média dos últimos cinco anos deveu-se a óbitos por covid-19": das 1.132 mortes acima da média que se verificaram nesse período, 526 foram atribuídas ao novo coronavírus.

A doença provocada pelo SARS-Cov-2 provocou menos de um terço (29,3%) das 8.686 mortes a mais face à média dos últimos cinco anos registadas entre 2 de março e 1 de novembro.

Nesse período, a partir da altura em que foram diagnosticados os primeiros casos de infeção pelo novo coronavírus, morreram em Portugal 77.249 pessoas, refere o INE, apontando que "uma das consequências mais dramáticas dos efeitos da pandemia covid-19 diz respeito ao aumento do número total de óbitos".

No entanto, "o acréscimo da mortalidade verificado a partir de março, relativamente à média dos últimos cinco anos, é explicado apenas em parte pelos óbitos por covid-19".

Para ter uma "medida mais abrangente do impacto na mortalidade" terá de se olhar para a "diferença entre o número de óbitos por todas as causas de morte em 2020 e a média dos últimos cinco anos, não obstante outros efeitos sobre a mortalidade, como a gripe sazonal e os picos ou ondas de calor ou frio".

O INE regista que mais de 70% das pessoas (55.024) que morreram entre março e novembro tinham 75 ou mais anos, e que desses, 60% tinham 85 ou mais (32.878).

Em comparação com a média de mortes no período homólogo de 2015-2019, "morreram mais 7.449 pessoas com 75 e mais anos, das quais 5.802 com 85 e mais anos".

Das pessoas que morreram entre março e novembro, 38.262 eram homens e 38.987 eram mulheres.

Do total de mortes, 46.125 aconteceram em hospitais (mais 2.868 que a média 2015-2019) e 31.124 em casa ou outros locais (mais 5.817).

O aumento das mortes em relação à média 2015-2019 teve um pico na semana de 6 a 12 de abril, situação que se repetiu no fim de maio. A partir daí, voltou aos valores de anos anteriores, mas começou a subir novamente na segunda semana de junho até novo pico na terceira semana de julho, com mais cerca de 800 mortes do que a média 2015-2019.

"Recorde-se que o mês de julho foi extremamente quente e com várias ondas de calor", aponta o INE.

Desde 28 de setembro que o número de mortes aumentou para valores acima da média dos últimos cinco anos.

Por região, foi no Norte que morreram mais pessoas (3.638) do que a média 2015-2019, seguindo-se a área metropolitana de Lisboa, com mais 2.400 mortes, o Centro (mais 1.515), Alentejo (mais 771 pessoas), Algarve (mais 323), Madeira (88) e Açores (83).

/ CM