A Direção-Geral da Saúde (DGS), a Guarda Nacional Republicana e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) vão fazer ações pontuais de controlo da fronteira terrestre portuguesa, informou o gabinete do primeiro-ministro.

O chefe do Governo informou ainda que vai ter lugar, na próxima segunda-feira, uma reunião por videoconferência dos ministros da Administração Interna e da Saúde da União Europeia para definir medidas de controlo sanitário nas fronteiras internas e externas da União Europeia.

Até lá, Portugal vai manter as medidas adotadas relativamente a voos provenientes da China e de Itália.

O primeiro-ministro, António Costa, vai ainda reunir com o primeiro-ministro espanhol, este domingo, para definir uma estratégia de gestão da fronteira comum entre os dois países.

O comunicado não adianta mais pormenores nem os locais onde serão feitas as “ações pontuais de controlo da fronteira terrestre” entre os dois países da Península Ibérica.

A doença Covid-19, provocada pelo novo coronavírus, foi classificada como pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na quarta-feira.

Em todo o mundo já foram infetadas mais de 143.000 pessoas e morreram mais de 5.500.

Em Portugal, o Governo decretou na quinta-feira o estado de alerta, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

Foram igualmente suspensas, a partir de segunda-feira, as atividades letivas e restringido o funcionamento de discotecas e similares e suspensas as visitas a lares em todo o território nacional.

O Governo decidiu igualmente proibir o desembarque de passageiros de navios de cruzeiro, exceto dos residentes em Portugal, e limitar a frequência nos centros comerciais e supermercados para assegurar possibilidade de manter distância de segurança entre as pessoas.

Já tinham sido tomadas outras medidas em Portugal para conter a pandemia, como a suspensão das ligações aéreas com a Itália.

/ AG