Um acidente com um elétrico esta tarde na Lapa, em Lisboa, fez 28 feridos, entre eles duas crianças, confirmou o INEM à TVI. As vítimas foram todas desencarceradas e todas foram transferidas para o hospital. Não há vítimas em estado crítico.

A TVI apurou que as duas crianças são de nacionalidade inglesa, uma com seis meses e outra com sete anos. Ambas foram transportadas para o Hospital de Santa Maria.

Das 28 pessoas feridas, duas foram assistidas no local. As restantes foram encaminhadas para unidades hospitalares. Para São José foram nove pessoas, outras nove para Santa Maria e oito para o hospital São Francisco Xavier.

Do capotamento resultaram vários feridos, nomeadamente uma mulher de 29 anos e um homem com traumatismo no tórax, uma mulher de 26 anos com trauma ocular, uma outra mulher com traumatismo na face e uma mulher de 53 anos com trauma motor. 

No momento da chegada dos bombeiros, havia 10 pessoas encarceradas no veículo que pertence à carreira 25.

De acordo com fonte dos Bombeiros Sapadores de Lisboa, o veículo capotou e ficou "bastante danificado". O descarrilamento aconteceu na Rua de São Domingos à Lapa, no cruzamento dessa rua com a Rua Garcia de Orta.

O número estimado de pessoas transportadas pelo elétrico na altura do acidente era de entre 25 e 30, uma vez que o veículo estava cheio.

O alerta foi dado às 18:09 horas e para o local foram destacadas seis viaturas com cerca de 25 operacionais, de acordo com fonte dos bombeiros. 

A página da Proteção Civil na Internet referia um total de 62 operacionais e 23 veículos envolvidos nas operações.

Trabalhos de remoção do elétrico terminaram perto da meia-noite

Os trabalhos de remoção do elétrico terminaram já perto da meia-noite, disse à Lusa fonte oficial da Carris.

Segundo a mesma fonte, os reboques acabaram de carregar o elétrico e respetivos destroços às 23:55 de sexta-feira. Minutos depois, a PSP “iniciou a reabertura do trânsito pedonal e rodoviário”, disse à Lusa fonte do Comando Metropolitano de Lisboa.

A empresa rodoviária Carris vai abrir um “inquérito minucioso” para apurar quais as razões que levaram ao descarrilamento.

Em relação à Carris, o que estamos a fazer neste momento, e já foi pedido, é fazer um inquérito minucioso para perceber quais as razões principais que levaram a este acidente”, disse o presidente da empresa durante o balanço operacional feito no local do acidente.

Falando aos jornalistas, Tiago Farias afirmou que “a Carris lamenta profundamente o que aconteceu” e destacou que “a preocupação inicial foram as pessoas e todo o seu acompanhamento”.

Questionado sobre testemunhos no local que terão falado numa possível falha de travões do elétrico, o responsável foi taxativo: “Isso terá de ser feito em sede do próprio inquérito que iremos fazer com a máxima urgência”.