O presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, foi hoje detido no âmbito de uma investigação relacionada com alegada prática dos crimes de corrupção, prevaricação, participação económica em negócio e abuso de poder, assinalou a Procuradoria-geral Distrital (PGD) do Porto.

Segunda a Lusa, que cita fonte ligada ao processo, em causa estão crimes relacionados com a alienação, a uma empresa privada, de 51% de uma escola profissional.

De acordo com aquela fonte, além do autarca, foi detido o proprietário da Escola profissional Amar Terra Verde (EPATV), fundada, em 2013, pelos municípios de Vila Verde, Amares e Terras de Bouro.

Ambos entraram, ao princípio da tarde, no tribunal de Braga, para serem ouvidos por um juiz de instrução criminal, disse fonte policial à Lusa.

Nas buscas relacionadas com o caso, a Polícia Judiciária apreendeu "bens de valor elevado, designadamente automóveis e elevadas quantidades de dinheiro".

Em causa estará um caso de alegada prática dos crimes de corrupção e prevaricação no processo de alienação daquela escola, a uma empresa privada, da concessão de um parque estacionamento à superfície e da construção de um parque de estacionamento a uma empresa do setor da construção civil.

"Os factos ocorreram no Concelho de Vila Verde e relacionam-se com a concessão privada de estacionamento municipal e com uma escola profissional, envolvendo pelo menos um autarca e um diretor da referida escola", diz o comunicado da PJ.

O vice-presidente de Vila Verde afirmou que “desconhece” as acusações que recaem sobre o presidente da autarquia.

“Desconhecemos as acusações (...). O senhor presidente da câmara está a prestar esclarecimentos e aguardamos serenamente”, disse o vice-presidente Manuel Lopes.

A Lusa tentou entrar em contacto com a referida escola profissional, mas até ao momento não foi possível, tendo sido explicado que a “direção está em reunião”.

Redação / atualizada às 16:43