Sónia Francisco, inspetora do SEF, foi detida no âmbito da Operação Rota do Cabo, que desmantelou uma organização criminosa responsável pela introdução ilegal em Portugal e na Europa, de milhares de imigrantes.

A inspetora estava colocada na delegação de Alverca e estava suspensa de funções na sequência de um processo disciplinar por um esquema semelhante. Como inspetora, Sónia Francisco tinha o poder de acelerar de forma seletiva os processos de legalização de imigrantes que lhe são impostos pela rede criminosa.

De acordo com um comunicado do SEF, "a funcionária detida no âmbito da operação havia já sido constituída arguida no âmbito de um processo crime instaurado pelo SEF e alvo de um processo disciplinar comum, devido aos fortes indícios da prática dos crimes de corrupção passiva, abuso de poder e falsificação de documentos". 

No âmbito da megaoperação da PJ foram detidos mais de 20 suspeitos, com idades entre os 28 e os 64 anos, que serão presentes amanhã ao juiz. A maioria arrisca prisão preventiva por pressupostos como o perigo de fuga, visto que muitos são estrangeiros, e o perigo de continuação de atividade criminosa, uma vez que o esquema continua ativo desde há largos anos.