São encapuzados, atuam assumidamente à margem da lei e estão a ser investigados por terrorismo, assalto à mão armada, sequestro, entre outros crimes. Cristina Rodrigues, membro da comissão política do PAN, ex-candidata à Câmara Municipal de Sintra, chefe de gabinete e braço direito do deputado André Silva poderá ser uma das encapuzadas de um grupo que está a ser investigado pela Unidade de Contraterrorismo da Polícia Judiciária e pelo Ministério Público.

Este grupo de encapuzados chama-se IRA, diz resgatar animais maltratados, mas acaba por roubá-los. Fazem perseguições armadas aos donos, entrando mesmo dentro das suas casas, ameaçam de morte quem os enfrenta.

“Há um incentivo a que sejam cometidos atos de violência e onde se alimenta a ideia de justiça pela própria mão, cometendo com isso todas as injustiças e crimes possíveis e imaginários”, diz Paula Neto à TVI.

Já Amália Sampaio garante mesmo que “isto parece uma seita de fanáticos”.

Cristina Rodrigues, do PAN, assinou mesmo procurações em nome do IRA e foi ela que fez algumas das denúncias que visavam vítimas deste grupo de encapuzados.

O escândalo poderá mesmo ir ao mais alto nível do partido e atingir o deputado André Silva, que chegou a receber na Assembleia da República este grupo que está sob mira das autoridades. Cristina Rodrigues, visada nesta investigação, confrontada pela TVI, não desmente ser uma das encapuzadas deste grupo.