Os quatro ocupantes do helicóptero de emergência médica que desapareceu no sábado morreram, na sequência da queda da aeronave na serra de Santa Justa, Valongo, confirmou o comandante Carlos Alves da Proteção Civil. Também o Instituto de Emergência Médica confirmou os óbitos na madrugada de domingo.

A bordo do helicóptero estavam "um médico, um enfermeiro, o piloto e um co-piloto", sendo que o clínico era de nacionalidade espanhola.

Foram encontrados os destroços da aeronave, do helicóptero do INEM, com os quatro corpos, sem vida. Dois deles ainda junto dos destroços da cabine do helicóptero e outros dois, fora da cabine. Isto numa região, cerca de 700 metros a sul da capela de Santa Justa, freguesias de Valongo, concelho de Valongo", afirmou o comandante.

Antes, cerca da 1:00, Carlos Alves adiantara que as buscas para encontrar o helicóptero do INEM desaparecido no sábado em Valongo estavam circunscritas a uma área menor, tendo as autoridades identificado uma “possível zona de toque da aeronave no solo”.

Buscas à noite

As buscas para tentar saber o que acontecera com o helicóptero desaparecido começaram cerca das 20:30 de sábado.

Contudo, "o último contacto com o helicóptero foi registado por volta das 18h30, na zona de Valongo", segundo um primeiro comunicado do INEM.

Ao que a TVI apurou, o alerta sobre o desaparecimento do helicóptero só chegou à Proteção Civil às 20:24.

INEM confirma

Também o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) informou na madrugada de domingo "que foi localizado, cerca das 01h30m, o helicóptero de emergência médica que se encontrava desaparecido. A aeronave em questão foi localizada na Serra de Pias, concelho de Valongo, havendo a lamentar a ocorrência de quatro vítimas mortais".

A ocorrência de uma situação como a verificada - no exercício da missão diária das equipas do Instituto, com a qual procuram precisamente salvar vidas - é motivo de profunda tristeza e pesar. É naturalmente um momento particularmente difícil e extremamente doloroso para a Instituição e para os seus profissionais, agradecendo-se desde já as centenas de mensagens de solidariedade recebidas", refere o comunicado do INEM.

O incidente ocorreu numa altura em que se verificavam condições meteorológicas bastante adversas. Caberá às autoridades competentes desenvolver um inquérito para apurar com detalhe as causas do acidente, cujos contornos não são ainda neste momento conhecidos", acrescenta o comunicado.

O INEM refere ainda que foram "mobilizadas diversas equipas para prestar apoio aos familiares das vítimas e aos próprios trabalhadores do Instituto. Este trabalho de apoio psicológico está em curso e vai continuar enquanto necessário".

O helicóptero em questão é um Agusta A109S, operado pela empresa Babcock, na sequência de um concurso público internacional. Este aparelho regressava à sua base, em Macedo de Cavaleiros, distrito de Bragança, após ter realizado uma missão de emergência médica de transporte de uma doente grave para o Hospital de Santo António, no Porto", refere ainda o INEM.

O serviço de helicópteros de emergência médica do INEM foi criado em 1997, tendo desde essa altura efetuado cerca de 16.370 transportes de doentes urgentes, sem que se tenha verificado qualquer incidente grave como o agora verificado", conclui o comunicado.

Gabinete de Investigação vai averiguar queda

Uma equipa do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF) vai averiguar a queda do helicóptero de emergência médica, que causou quatro mortos, este sábado em Valongo, disse à Lusa fonte do organismo.

Fonte oficial do organismo acrescentou que uma equipa do GPIAFF vai deslocar-se ao local do acidente para recolha de dados e consequente investigação.