A Ordem dos Médicos diz que só foi notificada da morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk esta terça-feira, ou seja, no dia em que Eduardo Cabrita foi ouvido no Parlamento.

Na sequência das declarações do Senhor Ministro da Administração Interna no Parlamento, a Ordem dos Médicos esclarece que foi hoje, dia 15 de dezembro de 2020, contactada pela primeira vez pelo Ministério da Administração Interna, através da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), no âmbito do processo relacionado com a morte de Ihor Homeniuk", lê-se num comunicado enviado às redações.

 

O dossier foi encaminhado para o Conselho Disciplinar da Região Sul, para eventual apuramento de matéria disciplinar, num procedimento integrado nas boas práticas de colaboração institucional", adianta a mesma nota.

 

A Ordem dos Médicos clarifica, contudo, que, ao contrário do que tem sido noticiado, o documento preenchido no local do incidente pelo médico do INEM consiste numa verificação de óbito e não numa certidão de óbito", esclarece.

Sem especificar datas, o ministro da Administração Interna disse esta terça-feira perante os deputados que a Inspecção-Geral da Administração Interna tinha enviou à Ordem dos Médicos uma notificação por causa do médico que declarou a morte Ihor Homenyuk no dia 12 de março.

Esta tarde, o ministro foi ouvido sobre o caso da morte do cidadão ucraniano, há nove meses, nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa. Uma notícia que a TVI revelou em primeira mão.

A audição do ministro acontece na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias e decorre de pedidos do PSD e da deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira (ex-Livre).
 

Redação / LF