O  Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas revelou esta sexta-feira, em comunicado, que suspenderia "temporariamente" a greve, a partir do momento em que se sentasse à mesa para negociar com o Governo. Sindicato, ANTRAM e ministro das Infraestruturas estão reunidos, desde as 16:00 horas.

Anunciamos, desde já, a suspensão temporária da greve a partir da hora de início da reunião a ser convocada pelo Governo, suspensão essa que produzirá os seus efeitos até ao Plenário Nacional de Motoristas de Cargas Perigosas, marcado para o próximo domingo, momento em que os Motoristas irão decidir pelo seu futuro", comunicou o sindicato dos motoristas, esta tarde.

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, a ANTRAM e o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, estão reunidos no ministério da pasta para tentar chegar a acordo "com cedências de ambas as partes".

O SNMMP considerou que face à nomeação, esta sexta-feira, de um "mediador da DGERT para dar início às negociações com a ANTRAM, entendeu que estão criadas as condições necessárias para todas as partes se sentarem à mesa".

Os motoristas têm estado em greve desde segunda-feira, uma paralisação que começou por ser convocada por dois sindicatos, o SNMMP e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas o SIMM desconvocou o protesto na quinta-feira à noite.

A decisão do SIMM surgiu perto das 23:00, na sequência de uma reunião no Ministério das Infraestruturas, gabinete onde se encontravam também dirigentes da ANTRAM.

Esta decisão deixou o SNMMP sozinho no protesto, depois de esta estrutura sindical ter pedido na quinta-feira a mediação do Governo para chegar a um entendimento com a ANTRAM.

O Governo começou por anunciar, na quinta-feira, que iria nomear um mediador para tentar terminar o conflito, mas, horas depois, disse que o processo de mediação não era viável, uma vez que a ANTRAM disse que só negociava se a greve fosse desconvocada.

Agora, segundo o SNMMP foi esta sexta-feira nomeado um mediador da DGERT para dar início às negociações com os patrões.

A greve fora convocada com o objetivo de reivindicar junto da ANTRAM o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Na segunda-feira, ao final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

/ JFP