A morte do histórico comunista Ruben de Carvalho está a ser investigada pelo Ministério Público. A informação foi confirmada por fonte da Procuradoria-Geral da República à TVI24, que foi questionada sobre uma eventual situação de negligência médica.

 Confirma-se a existência de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Lisboa. Não tem arguidos constituídos", indicou fonte da Procuradoria-Geral da República, em resposta à TVI24.

O antigo dirigente do PCP e antigo jornalista Ruben de Carvalho morreu na madrugada de terça-feira. Tinha 74 anos e era o único membro no atual Comité Central do PCP que tinha estado preso nas cadeias da PIDE durante o Estado Novo.

Ruben de Carvalho foi responsável na Câmara Municipal de Lisboa pelo Roteiro do Antifascismo e fazia parte da organização da Festa do Avante! desde o seu início, em 1976.

Jornalista de profissão, Ruben de Carvalho foi também chefe de redação do semanário “Avante!”, órgão central do PCP, entre abril de 1974 e 1995, chefe de redação da revista “Vida Mundial” e redator coordenador do jornal “O Século”.

O funeral de Ruben de Carvalho ocorreu este domingo no cemitério do Alto de São João, em Lisboa. Coube ao secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, fazer a evocação do ex-deputado. 

Administração do Hospital Sta. Maria abre inquérito

A administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte decidiu abrir um processo de inquérito na sequência de notícias sobre eventual negligência hospitalar no internamento do histórico dirigente do PCP.

Fonte oficial do Centro Hospitalar, que integra o hospital Santa Maria, disse à agência Lusa que, “após as notícias vindas a público”, foi decidido “abrir um processo de inquérito”.