As vítimas do surto de legionella de Vila Franca de Xira querem mais de 2 milhões e 600 mil euros de indeminização do Estado português. A instrução do caso arranca na próxima quarta feira.

Segundo o jornal Público, a Associação de Apoio às Vítimas do Surto de Legionella de Vila Franca de Xira iniciou na semana passada uma ação popular contra o Estado português, no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa.

O Público teve acesso às 28 páginas do documento, que apontam várias falhas e omissões de entidades públicas.

Por isso, a associação quer que o Estado pague mais de 2 milhões e 600 mil euros de indemnizações às vitimas. Perto de 8 mil euros a cada vítima.

A associação aponta o dedo diretamente ao Ministério da Saúde, à Direção-geral da Saúde (DGS), e ao Ministério do Ambiente. Mas o Ministério Público também não é poupado. O documento acusa o Ministério Público de atuar tardiamente, abrindo um inquérito apenas três dias depois da DGS ter conhecimento dos 18 doentes com legionella.

Este foi o terceiro maior surto de legionella de sempre, em todo o mundo. Aconteceu a 7 de novembro, a sul do concelho de Vila Franca de Xira, às portas de Lisboa.

Provocou 14 mortes, mas no total foram 330 as vítimas do surto de legionella, com a estirpe não identificada.

Segundo o Público, a câmara municipal terá sido contactada pelos mandatários dos arguidos, no processo-crime, e está, alegadamente, a negociar um acordo extra-judicial.

/ SS