O número de infetados no surto de covid-19 na Casa do Artista, em Lisboa, aumentou, desde segunda-feira, para 33 pessoas, cinco das quais, todas residentes, estão internadas, disse esta sexta-feira à agência Lusa fonte da ARSLVT.

De acordo com a mesma fonte, entre os residentes da Casa do Artista, há “18 casos ativos, 13 dos quais estão na instituição, devidamente separados dos negativos, e cinco estão internados". Além disso, há 15 casos ativos entre os funcionários, que estão “a cumprir isolamento nas respetivas casas”.

Desde o início do surto na Casa do Artista, durante o mês de janeiro, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) registou oito óbitos naquela instituição.

À agência Lusa, a ARSLVT salientou que, “como é habitual, a autoridade de saúde local, em articulação com a direção da Casa do Artista, determinou as medidas de Saúde Pública adequadas à situação, de acordo com as orientações da DGS [Direção-Geral da Saúde], como sejam a avaliação e a ativação do plano de contingência, testagem, confinamento dos casos positivos e separação dos positivos e negativos”.

Na segunda-feira, o número de casos ativos de covid-19 na Casa do Artista era, segundo a ARSLVT, de 29 pessoas, 15 dos quais residentes e 14 funcionários.

No dia 25 de janeiro, a direção da Associação de Apoio aos Artistas - Apoiarte, que gere a Casa do Artista, havia referido, num comunicado partilhado na rede social Facebook, que era “com enorme tristeza e preocupação”, e após “onze meses imunes à pandemia que assolou todo o mundo” que, “infelizmente, testaram positivos alguns dos residentes e funcionários”.

A Casa do Artista tem cerca de 70 residentes e de 30 funcionários.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.441.926 mortos no mundo, resultantes de mais de 110,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.821 pessoas dos 794.769 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ HCL