A maioria PSD/CDS-PP/PPM na Câmara de Braga aprovou hoje limitar a oito vezes por dia o acesso com automóvel aos moradores da área pedonal no centro da cidade, medida que a oposição considera ser um "tiro no pé".

Na reunião do executivo camarário, entre outras disposições para o funcionamento da atividade naquela área, foi ainda discutido o horário para cargas e descargas no Centro Histórico da cidade, novamente com a maioria liderada por Ricardo Rio a ser alvo de críticas por parte da CDU e do PS, que se mostraram contra a possibilidade daquelas atividades poderem ocorrer às 03.00.

Quanto à limitação do acesso aos moradores ao centro histórico por via automóvel, o PS considerou que o problema do trânsito naquela área devia ser regulado por mais fiscalização e por outro tipo de sistemas, mas Ricardo Rio salientou que um novo sistema representaria um "grande investimento", o que não é possível.

"Não faz sentido dizer a um morador do centro histórico que só pode ir oito vezes a casa. É um direito fundamental que não deveria ter sido aprovado, é um tiro no pé", afirmou o vereador da CDU, Carlos Almeida.

Quanto às cargas e descargas, Carlos Almeida salientou que o facto de não existirem queixas "por escrito" não quer dizer que os moradores não as tenham: "Qualquer morador do centro histórico tem razão de estar descontente se as cargas e descargas começarem a ser feitas às 03:00", apontou.

No mesmo sentido, a vereação socialista, pela voz de Artur Feio considerou que poderá haver uma "violação do direito individual" dos moradores: "A câmara não pode controlar o livre acesso ou os ritmos de vida de cada um", defendeu.

Em resposta, o autarca Ricardo Rio refutou a acusação de "inibição no acesso ao centro", explicando que teve na sua base um estudo que apontava que cada morador acedia ao local até seis vezes por dia de automóvel.

"Quando lhes estamos a conferir oito, até estamos a dar uma margem maior do que era a média desses mesmos moradores", esclareceu.