O Tribunal da Comarca de Lisboa Oeste condenou um homem a sete anos de prisão por de 22 crimes de auxílio à imigração ilegal e 23 de falsificação de documentos, após uma investigação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Em comunicado divulgado esta terça-feira, o SEF refere que durante 10 anos o arguido viveu dos lucros da atividade criminosa, inscrevendo sucessivamente trabalhadores nas suas empresas, sem que nelas exercessem qualquer atividade.

O objetivo deste esquema, adianta a nota, era conseguir a regularização destes cidadãos estrangeiros junto do SEF, através da obtenção de um título de residência.

O condenado elaborava documentos como se fossem contratos de trabalho que eram vendidos a cidadãos estrangeiros em situação irregular em Portugal.

Paralelamente, explica o SEF, cobrava prestações mensais para inscrição e pagamento de prestações devidas à segurança social, muitas das quais não eram entregues.

O homem foi detido no âmbito da operação “Mr. H", realizada em maio do ano passado e esteve em prisão preventiva depois de cumpridos os mandados de detenção e de busca domiciliária, realizados na zona de Sintra.

/ RL