Pela primeira vez, na tarde de sábado, estiveram empenhados em simultâneo no combate às chamas em Portugal 58 meios aéreos, revelou fonte do Ministério da Administração Interna à TVI24. 

Num fim de semana trabalhoso com inúmeros focos de incêndio, só no sábado contabilizaram-se 160 ocorrências em Portugal.

Recorde-se que a situação de alerta em Portugal continental foi prolongada até terça-feira à noite devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, anunciou já este domingo o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, no final de uma reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional, em Carnaxide, Oeiras, onde estão todos os agentes de proteção civil.

Inicialmente, o Governo declarara a 16 de julho a situação de alerta em Portugal Continental entre as 00:00 de sexta-feira e as 23:59 de domingo, devido às previsões meteorológicos que apontavam para um “significativo agravamento do risco de incêndio rural.

O Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) informou no sábado que as Forças Armadas têm mais 108 militares, entre elementos da Marinha e do Exército, em tarefas diárias de vigilância das florestas e sensibilização da população até 30 de setembro.

Só este fim de semana, a Marinha e o Exército empenham 216 militares distribuídos por 24 patrulhas (seis da Marinha e 18 do Exército), em ações de patrulhamento dissuasor em 18 distritos de Portugal continental, de modo a minimizar o risco de incêndios florestais.

Esta mobilização resulta de um pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) ao Estado-Maior General das Forças Armadas.

Bárbara Cruz