O número de pessoas internadas devido ao surto de ‘legionella' na região do Grande Porto diminuiu para 17, com a recuperação de três doentes que esta quinta-feira tiveram alta, confirmou fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte).

Desses três doentes recuperados, dois verificaram-se no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, onde continuam internadas 10 pessoas, tendo a outra alta sido registada no Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde, que ainda presta assistência quatro pacientes.

No Hospital São João, no Porto, mantêm-se três pessoas internadas.

O número de casos de ‘legionella' diagnosticados desde o início de surto, a 29 outubro, não sofreu hoje alterações, mantendo-se nos 85, registando-se as mesmas nove mortes devido a complicações associadas à doença.

A origem do surto continua por detetar, mas ARS-Norte divulgou, na terça-feira, que, "como medida cautelar, a Autoridade de Saúde da ULS de Matosinhos procedeu à suspensão do funcionamento das torres de refrigeração de duas indústrias, localizadas no concelho de Matosinhos".

A empresa de produtos lácteos Longa Vida, em Matosinhos, confirmou, na quarta-feira, que foi uma das empresas a ter desligado as suas torres de refrigeração "a título preventivo".

A Câmara Municipal de Matosinhos garantiu estar a "acompanhar de perto e com preocupação o desenvolvimento do surto", considerando que, "independentemente do concelho onde se situem as instalações, o importante é que o foco tenha sido identificado e que esta situação possa, em breve, ser ultrapassada".

Na semana passada, o Ministério Público anunciou a abertura de um inquérito para investigar as causas do surto.

A doença do legionário, provocada pela bactéria 'Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

/ LF