Um homem de 76 anos dirigiu-se à PSP de Coimbra para entregar duas armas ao abrigo da Entrega Voluntária a Favor do Estado e acabou constituído arguido por posse de arma proibida, anunciou aquela instituição.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o comando distrital da PSP de Coimbra afirma que depois de uma das armas, uma espingarda, ter sido analisada, "foi possível perceber que havia sido modificada, com os canos e coronha serrados, pelo que a sua guarda ou posse é proibida".

Nos registos da arma, a mesma constava como "extraviada", acrescenta a PSP.

Confrontado com a situação, o senhor de 76 anos "explicou que a arma tinha sido entregue há cerca de 20 anos à sua mulher, por outra mulher, pedindo que a guardasse".

A arma acabou por ser apreendida e o homem constituído arguido e sujeito a termo de identidade e residência.

A PSP esclarece que a infração em causa não se enquadra na legislação em vigor, "que permitiria a entrega voluntária de armas com ausência de procedimento sancionatório".

/ AM