Uma pessoa foi detida e quase dois milhões de cigarros de contrabando apreendidos pela GNR em Montalegre (Vila Real), numa operação que envolveu buscas a um local de apoio a uma organização criminosa, foi hoje anunciado.

Segundo a GNR, a apreensão ocorreu na passada sexta-feira, no âmbito da operação IBÉRIA, que visou a realização de buscas a um local utilizado como apoio de uma organização criminosa internacional, que o utilizava para armazenamento de tabaco produzido de forma fraudulenta e destinado a abastecer os circuitos comerciais marginais, quer em território nacional, quer noutros países europeus.

Em comunicado, a GNR refere que foram apreendidos 1.897.940 cigarros de diferentes marcas, acondicionados em cerca de 95 mil maços “que não ostentavam a estampilha fiscal exigida para a sua comercialização em território nacional” e tinham um valor comercial que ronda os 420 mil euros.

Se tivesse sido vendido ao público, lembra a GNR, “teria lesado o Estado em mais de 320 mil euros, resultante da evasão à tributação incidente em sede de Imposto Especial Sobre o Consumo de Tabaco (IT) e IVA”.

Foi detido um homem, de 41 anos, que está indiciado pela prática de “um crime de introdução fraudulenta no consumo qualificado”.

O detido foi presente a primeiro interrogatório, no Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto (DIAP), mas acabou libertado mediante o pagamento de uma caução de cinco mil euros, ficando sujeito a apresentações periódicas no posto policial da sua área de residência.

A operação, da Unidade de Ação Fiscal, através do Destacamento de Ação Fiscal do Porto, contou com a colaboração da Unidade de Intervenção e o apoio das autoridades espanholas, através da Unidade Central Operativa da Guardia Civil.