A GNR identificou um homem, de 44 anos, pela ignição do incêndio rural que deflagrou na sexta-feira em Vilarinha, no concelho de Aljezur, anunciou este sábado a corporação, adiantando que foi o próprio que alertou as autoridades.

O homem encontrava-se a efetuar trabalhos de gestão de combustível, com recurso a uma motorroçadora, quando o equipamento entrou em sobreaquecimento após três horas de utilização, provocando a emissão de fagulhas provenientes do escape, dando-se início ao incêndio”, refere a GNR em comunicado.

Nessas circunstâncias, adianta, “o homem, que trabalhava sozinho, deu o alerta às autoridades e ainda tentou extinguir o incêndio com recurso a uma mangueira, no entanto, atendendo ao acentuado declive do terreno e às condições climatéricas, não o conseguiu extinguir, levando a que o mesmo se propagasse”.

Os factos serão remetidos ao Tribunal Judicial de Lagos, informa a GNR, adiantando que o homem foi identificado na sexta-feira pelo Comando Territorial de Faro, através do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Portimão, “pela ignição de um incêndio rural que se iniciou em Vilarinha, no concelho de Aljezur”.

Bombeiros continuam a fazer frente a reativações em Vila do Bispo

O incêndio começou na sexta-feira em Aljezur e alastrou para os concelhos de Vila do Bispo e de Lagos. As reativações causadas pelo forte vento estão a manter ocupados os bombeiros que combatem as chamas, na zona entre Budens e Barão de São Miguel, em Vila do Bispo.

Esta área, por onde o fogo já tinha passado, voltou esta tarde a concentrar meios de combate, com as equipas de combate a procurarem posicionar-se da melhor forma para evitar perder o controlo do incêndio, que está dado como dominado desde 09:10, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro.

O fogo teve inicio na zona de Vilarinha, freguesia da Bordeira, concelho de Aljezur, e durante a tarde de sexta-feira e a noite passada chegou a ter três frentes ativas, mas depois de ter sido dado como dominado na manhã de hoje o trabalho tem-se centrado em responder o mais rápido possível a eventuais reativações, que têm sido uma constante durante o dia devido ao forte vento que se faz sentir na zona.

Apesar de o fogo estar dominado, o segundo comandante distrital de operações do distrito de Faro, Abel Gomes, advertiu que o trabalho iria ser intenso e era necessário manter o dispositivo no terreno, para garantir que não se perdia o trabalho positivo que tinha sido possível realizar durante a noite para controlar o incêndio.

A preocupação mantém-se entre a população. Durante todo o dia, tem sido visíveis reativações de fogo, que fazem intensificar o fumo, mas que acabam por voltar a perder intensidade depois de as equipas de combate os atacarem, com apoio dos meios aéreos.

Às 17:10, segundo dados do site da Proteção Civil na internet, o incêndio estava a ser combatido por 462 operacionais, 143 meios terrestres e nove meios aéreos, assim como duas máquinas de rasto, estando no terreno equipas dos de bombeiros dos distritos de Faro, Beja, Setúbal, Lisboa, Santarém e Leiria, disse fonte da Proteção Civil.

A mesma fonte disse não haver até ao momento registo de residências ardidas ou pessoas em risco.

Para as 20:05, o CDOS de Faro tem prevista uma conferência de imprensa para fazer um ponto de situação sobre o incêndio. O ponto de situação será realizado pelo Comandante Operacional Distrital, Vítor Vaz Pinto, acompanhado do Secretário de Estado José Apolinário, Coordenador da execução da Declaração da Situação de Calamidade no Algarve, e dos presidentes das Câmaras de Vila do Bispo, Adelino Soares, de Aljezur, José Gonçalves, e de Lagos, Hugo Pereira.

/ RL/SS - atualizada às 17:37