João Rendeiro, o ex-presidente do BPP, continua condenado a cinco anos e oito meses de pena de prisão efetiva por falsidade informática e falsificação de documentos. 

O Supremo Tribunal de Justiça confirmou a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa. 

Rendeiro tinha sido condenado no julgamento a pena suspensa, decisão que foi revertida após recurso do Ministério Público. 

Agora foi o arguido a recorrer para o Supremo, que confirma a pena de cadeia efetiva, que só se vai concretizar após trânsito em julgado,  quando estiveram esgotados todos os recursos para tribunais superiores. 

Este processo diz respeito à falsificação da contabilidade do banco para esconder os prejuízos financeiros do BPP.