O Ministério Público (MP) instaurou um inquérito para investigar as circunstâncias do aparecimento de parte de um corpo em avançado estado de decomposição, na Praia da Calada, no concelho de Mafra, informou esta quinta-feira  a Procuradoria-Geral da República.

Em causa está o aparecimento de “parte de um corpo de um homem, em avançado estado de decomposição” que, segundo o comandante da Capitania do Porto de Cascais, Rui Pereira da Terra, “terá dado à costa” na Praia da Calada, Encarnação, no concelho de Mafra.

A “metade inferior do torso, até aos joelhos” foi avistada por populares que deram o alerta certa das 17:30 de quarta-feira e foi retirada do local numa operação coordenada pela Polícia Marítima e que contou com efetivos da GNR e dos bombeiros da Ericeira, num total de cerca de 12 operacionais.

“O corpo apresentava indícios de já se encontrar há alguns meses no mar”, disse hoje à Lusa o comandante do Porto de Cascais, acrescentado que “só o resultado da autopsia determinará se será possível a sua identificação”.

De acordo com o mesmo responsável, foram reportados às autoridades, nos últimos meses, "vários casos de desaparecimento no mar" mas "não existem quaisquer indícios que permitam relacionar o corpo encontrado com qualquer desses desaparecimentos".

Contactada pela Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje a “instauração de um inquérito”, adiantando que a investigação está a ser conduzida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Cascais, da Comarca de Lisboa-Oeste.