A fundação presidida pelo autarca de Reguengos de Monsaraz (Évora), José Calixto, justificou esta sexta-feira a sua vacinação contra a covid-19 por ser uma das pessoas que tem “contacto regular direto com os utentes” do lar.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) explicou ter indicado para serem vacinados “todos os utentes, funcionários, administrativos, técnicos e dirigentes que têm contacto regular direto com os utentes”.

Segundo a instituição, essa comunicação foi dada em “obediência às indicações recebidas pelas autoridades de saúde e da segurança social”.

O critério recomendado pelas autoridades de saúde e consensualizado com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade para definir o universo a vacinar foi o do contacto próximo e regular com os utentes, sendo expressa a necessidade de incluir os membros das direções das instituições que mantivessem esse contacto próximo”, pode ler-se no comunicado.

Segundo noticia o semanário Expresso na sua página de Internet, o presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz (Évora), José Calixto, eleito pelo PS, já tomou a primeira dose da vacina contra a covid-19.

O autarca, pode ler-se na notícia do Expresso, "foi incluído numa lista de funcionários e utentes a vacinar enviada pelo lar" da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva, onde um surto de covid-19, no verão de 2020, provocou a morte de 18 pessoas.

De acordo com o Expresso, "apesar de não se inserir em nenhum dos grupos prioritários para a primeira fase da vacinação", o autarca "conseguiu contornar os critérios definidos pelo Governo e pelas autoridades de saúde por ser presidente da fundação que gere o lar".

/ HCL