Os procuradores de Clark County deixaram cair a acusação contra Cristiano Ronaldo no caso Kathryn Mayorga, que alegava ter sido violada pelo jogador português, num quarto de hotel, em Las Vegas, em 2009. De acordo com o site TMZ, a acusação diz que as alegações de Mayorga "não podem ser provadas por existência de dúvida razoável". O site cita o gabinete do procurador do condado. 

Um pedido de acusação foi apresentado à Procuradoria a 8 de julho de 2019. Com base na revisão da informação apresentada na altura, as alegações contra Cristiano Ronaldo não podem ser provadas por existêcia de dúvida razoável. Assim sendo, não serão levadas a cabo quaisquer acusações", diz o despacho do procurador. 

Kathryn Mayorga garantia ter conhecido Cristiano Ronaldo numa discoteca de um hotel, em Las Vegas, em junho de 2009, tendo sido depois convidada a subir ao quarto do jogador, para uma festa privada. A mulher diz que foi abusada e violada pelo craque português. 

Quando apresentou queixa às autoridades, inicialmente, Mayorga não referiu o nome do jogador. Mais tarde, exigiu a Ronaldo o pagamento de 375 mil dólares em troca do seu silêncio. Em setembro de 2018, surgiram as notícias de que a modelo voltou atrás com o acordo e processou criminalmente o jogador.

Cristiano Ronaldo sempre refutou as acusações e considerou a "violação um crime abominável, que vai contra todos" os seus valores. 

Em junho deste ano, Cristiano Ronaldo foi notificado de que caso tinha sido retirado de um tribunal estadual do Nevada e passado para um tribunal federal dos Estados Unidos.