Um homem e duas mulheres foram detidos, em Alcobaça, por tráfico e cultivo de canábis num ‘bunker’ subterrâneo, onde foram aprendidas centenas de plantas e avançados sistemas de produção, divulgou hoje a GNR.

Os suspeitos, com 19, 21 e 48 anos, foram detidos na quarta-feira, no âmbito de uma investigação e na sequência de buscas realizadas em outubro de 2018, “em que um homem de 44 anos foi constituído arguido, por posse e tráfico de estupefacientes”, explicou a GNR em comunicado.

A investigação permitiu “identificar outros suspeitos” e determinou agora a realização de buscas à residência e viaturas dos mesmos, tendo sido detetadas, segundo a GNR, “várias plantações de canábis, estufas de produção, zona de tratamento e secagem das plantas e espaços de armazenamento, com plantas em diferentes estados de maturação, assim como diverso material utilizado no cultivo”.

Os militares detetaram ainda, num terreno, “um alçapão que dava acesso a um “bunker”, o qual servia de laboratório de produção de canábis, equipado com um sistema de aquecimento e ventilação para auxiliar e otimizar a produção”, pode ler-se no comunicado.

Na ação foram apreendidas 249 plantas de canábis, sistemas de produção artificial das plantas (22 lâmpadas de aquecimento; 20 ventoinhas; quatro depósitos de água; duas bombas de calor; um ar condicionado e transformadores de elevada potência), quatro balanças, uma prensa para fazer placas de haxixe, três carros, uma mota e 260 euros em dinheiro.

Os três detidos foram constituídos arguidos e dois deles encontram-se detidos nas instalações da GNR, aguardando para serem ouvidos na sexta-feira, no Tribunal de Instrução Criminal de Leiria.