A Direção-Geral da Saúde avançou este domingo que o número de casos de infeção no complexo industrial da Sonae MC, na Azambuja, subiu para 109.

Graça Freitas adianta que todos os casos "estão bem, têm todos sintomas ligeiros ou estão assintomáticos", salientando que há apenas um doente internado na enfermaria".

As autoridades de saúde estão a rastrar os contactos de infeção nas zonas de origem dos trabalhadores. E a DGS está a cooperar com as empresas correspondentes para traçar a segurança dentro dos circuitos de entrada e saída e entre espaços comuns.

Qualquer medida que seja tomada tem de se adaptar a isto. Sempre que há um caso positivo, essa pessoa é retirada do circuito para não infetar outras e fica isolada pelo menos 14 dias", afirmou Graça Freitas.

Este sábado, em declarações à TVI, o Delegado de Saúde da Região de Lisboa e Vale do Tejo descartou a opção de impôr o cordão sanitário na zona, uma vez que a maioria dos trabalhadores vive fora do concelho.

A Sonae MC já implementou um conjunto de medidas para “minorar este problema”, nomeadamente o desfasamento dos horários dos turnos e a duplicação de autocarros que transportam os trabalhadores até ao armazém.

Apenas um terço dos nossos colaboradores usa comboios e já estamos a reforçar, há várias semanas, o serviço de autocarros”, adiantou em comunicado a empresa.

Além destas medidas, a Sonae está a medir a temperatura a todos os trabalhadores “antes de darem entrada em qualquer instalação dos entrepostos” e reforçou a entrega de máscaras e a higienização das instalações e veículos de transporte de mercadorias.