Se 2020 foi o ano do confinamento, a expectativa para 2021 é de que seja o ano da vacina contra a covid-19 e do fim da pandemia. E se muitos anseiam por viagens, nada melhor do que estudar já o calendário, antes de marcar as férias. 

Mesmo que o cenário mais otimista não se venha a confirmar e que seja necessário adiar as deslocações dentro do país e ao estrangeiro durante mais algum tempo, o melhor é saber como rentabilizar ao máximo os períodos de descanso. 

Assim, 2021 começa com um fim de semana prolongado: 1 de janeiro é sexta-feira, mas não se esqueça de que há restrições em vigor, uma vez que se mantém o estado de emergência devido à pandemia de covid-19. 

Em fevereiro, já sabemos que muitos municípios optaram por cancelar as festividades de Carnaval, mas o dia assinala-se a uma terça-feira como habitualmente, 16 de fevereiro, pelo que haverá potencial para uma "ponte" se juntarmos um dia de férias ao fim de semana. 

Em abril há um fim de semana prolongado: Sexta-Feira Santa celebra-se no dia 2 de abril e a 4 de abril é Domingo de Páscoa. 

Já o 25 de abril, em 2021, será num domingo. Em maio, o Dia do Trabalhador assinala-se a um sábado, pelo que também não oferece mais um dia de férias.

Mas junho vem cheio de promessas, com dois potenciais períodos de descanso de quatro dias, em semanas seguidas: o feriado do Corpo de Deus, a 3 de junho, é numa quinta-feira, bem como o Dia de Portugal, a 10 de junho, na quinta-feira da semana seguinte. 

Ainda em junho, há um extra para o município do Porto. O dia de São João, a 24 de junho, é numa quinta-feira, para contentamento dos nortenhos, que têm mais sorte do que os lisboetas: o dia de Santo António, 13 de junho, será num domingo. 

Também num domingo vai ser o único feriado de agosto, a 15, Dia da Assunção de Nossa Senhora. 

Já em outubro, nova ponte: o feriado da Implantação da República, no dia 5 de outubro, será numa terça-feira, pelo que pode acumular quatro dias de descanso se marcar o dia 4 de férias. 

Em novembro, há um fim de semana de três dias, já que o dia 1, Dia de Todos os Santos, é numa segunda-feira. 

E em dezembro, os feriados de 1 e 8 (Restauração da Independência e Dia da Imaculada Conceição, respetivamente) serão numa quarta-feira, bem a meio da semana, pelo que não dão direito a fim de semana prolongado. Nem o Natal dará direito a mais dias de descanso, já que dia 25 de dezembro é num sábado. 

Bárbara Cruz