A Polícia Judiciária deteve esta terça-feira 14 empresários, por fraude fiscal e branqueamento de capitais, num esquema conhecido por carrossel internacional do IVA, sabe a TVI. 

As empresas aproveitam a isenção que existe para as vendas transfronteiriças, comprando num Estado-membro sem ter de pagar o IVA e vendem noutro estado-membro já com o imposto, sendo que aí recebem o valor do IVA dos seus clientes e desaparecem sem o pagar ao Estado em que se encontram estabelecidas. Depois, são criadas novas empresas e os procedimentos fraudulentos continuam, sem que as autoridades consigam atuar em tempo útil.

Em comunicado, a PJ informa que, no âmbito da Operação Osíris, "a Polícia Judiciária e a Autoridade Tributária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e da Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais (DSIFAE), respetivamente, procederam no dia de hoje à realização de 50 buscas domiciliárias e não domiciliárias, bem como de 14 detenções, por suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais".

Na mesma nota, a PJ informa que os detidos, com idades compreendidas entre os 20 e os 77 anos, são suspeitos de pertencer a uma rede organizada que, desde pelo menos 2017, se dedicava à fraude intracomunitária ao IVA na aquisição de equipamentos de telecomunicações.

Os detidos serão presentes no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa na quarta-feira, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

Henrique Machado