A subcomissária da PSP Cátia Moura considerou, esta terça-feira, que os utilizadores de trotinetes, em Lisboa, encaram este meio de transporte como “um brinquedo”, defendendo que o setor deve ser regulado para combater "uma certa anarquia” nas ruas.

Cátia Moura falava aos jornalistas durante uma ação de promoção de mobilidade sustentável, através dos sistemas de partilha de veículos, na Quinta Pedagógica dos Olivais, em Lisboa.

Temos tido alguns problemas relacionados com as trotinetes a motor, no sentido em que os utilizadores ainda as encaram como um brinquedo”, salientou a subcomissária, anotando que a PSP deve “garantir que a circulação na estrada não é uma anarquia”.

Para Cátia Moura, as trotinetes são uma nova solução de mobilidade, um complemento ao transporte público e uma nova realidade que tem levantado várias questões, como a regulação.

É um setor que tem de ser regulado e é para isso que trabalhamos todos em conjunto [Câmara Municipal de Lisboa e autoridades]. Há pouco amadurecimento sobre a questão das trotinetes e das bicicletas”, disse, reiterando a importância de os utilizadores perceberem de que se trata de um meio de transporte, que exige a mesma responsabilidade da condução de um carro.

Segundo a polícia, desde o início do ano, já foram contabilizados 30 acidentes envolvendo trotinetes.

Por seu lado, a responsável da Bird em Portugal, Haya Doudri, considerou que Câmara de Lisboa é inovadora no campo dos estacionamentos para trotinetes e bicicletas.

Na Europa e nos Estados Unidos da América não vimos uma câmara tão boa como a de Lisboa”, indicou, lembrando que a cidade teve a iniciativa de disponibilizar cerca de 2% do estacionamento para trotinetes e bicicletas.

Haya Doudri explicou que a plataforma de micromobilidade Bird tem experiência de três meses em Lisboa, referindo que ainda não tem dados sobre o uso de trotinetes na capital portuguesa, usando Paris como exemplo.

Em Paris, vimos que mais de 70% dos cidadãos locais usam trotinetes para ir e voltar do trabalho. Mais de 30% complementam com o transporte público”, disse a responsável.

Segundo Câmara Municipal de Lisboa, estão previstas duas empreitadas em conjunto com a EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) para a criação de mais 500 estacionamentos para trotinetes, tendo como objetivo atingir 1.500 no centro da cidade. Atualmente, existem 600 lugares disponíveis para aparcar este tipo de veículos.