Depois do incidente com manifestantes negacionistas no centro de vacinação em Odivelas, o vice-almirante Gouveia e Melo passou a ser protegido pelo corpo de segurança pessoal da PSP, apurou a TVI

O corpo de segurança pessoal da PSP é uma subunidade da Unidade Especial da Polícia (UEP) que garante a proteção e segurança a várias personalidades, como o Presidente da República ou o primeiro-ministro, mas também de testemunhas de processos judiciais e juízes. 

Recorde-se que, a 14 de agosto, o coordenador da task-force para a vacinação foi recebido, em Odivelas, com apupos por parte de um grupo de manifestantes que estão contra a vacinação contra a covid-19.

As pessoas têm direito à sua opinião e têm direito a manifestar-se", disse na altura.

O vice-almirante não se deixou intimidar pelos gritos de "assassino", tendo respondido: espondendo: "O negacionismo e o obscurantismo é que são os verdadeiros assassinos. Morreram mais de 18 mil pessoas em resultado desta pandemia. A pandemia é que é a verdadeira assassina e eu estou aqui para contribuir, pelo contrário, para esclarecer as pessoas". 

Luís Varela de Almeida