Portugal chegou aos 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19. No total, 8.862.628 pessoas estão agora completamente imunizados.

De acordo com o relatório de vacinação da Direção-geral da Saúde, divulgado esta terça-feira, o número de vacinados com apenas uma dose é 9.011.536, em território nacional, o que equivale a 87%.

Os dados da DGS, mostram que as faixas etárias entre os 65 e 79 anos e maiores de 80 tem uma percentagem de vacinados de 100%.

VEJA TAMBÉM: COVID-19: PORTUGAL REGISTA MAIS TRÊS MORTES E MAIS 829 NOVOS CASOS

Dos 50 aos 64 anos, há 100% com pelo menos uma dose e 99% com vacinação completa.

Já nos grupos com idades entre 25 e 49 anos, há 96% com uma dose e 93% com imunização total. Dos 18 aos 24, os valores fixam-se em 92% e 89%.

É entre os mais jovens que a cobertura vacinal é mais baixa, mas, ainda assim, sempre acima dos 85%.

Entre os 18 e os 24 anos há 92% de pessoas vacinadas com pelo menos uma dose e 89% com as duas doses.

Entre os 12 e os 17 anos 89% tem pelo menos uma dose da vacina e 86% a vacinação completa.

Portugal já recebeu mais de 21,4 milhões de doses de vacinas e distribuiu e distribuiu quase 16,6 milhões.

A análise da cobertura vacinal por região mostra que o Algarve é a zona do país mais atrasada no processo, com 80% das pessoas com a vacinação completa.

Em Lisboa e Vale do Tejo há 84% da população com a vacinação completa, no Alentejo e no Centro 87% e no Norte 88%.

Nas duas regiões autónomas, Açores e Madeira, a cobertura vacinal é de 83% da população com a vacinação completa.

VEJA TAMBÉM: ITÁLIA DISPONIBILIZARÁ TERCEIRA DOSE DA VACINA A PARTIR DE JANEIRO

A covid-19 provocou pelo menos 4.952.390 mortes em todo o mundo, entre mais de 243,97 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.141 pessoas e foram contabilizados 1.086.280 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Nuno Mandeiro / Lusa