O primeiro lote das vacinas contra a covid-19, desenvolvida pela Pfizer-BioNTech, já chegou a Portugal, à zona de Coimbra, e foram escoltadas pela Guarda Nacional Republicana (GNR). 

A viatura que transportou as vacinas, duas caixas que no total pesam 41 quilogramas, chegou ao local por volta das 10:00. O processo de abertura da carrinha, que estava selada, e de acomodação das vacinas foi assegurado por trabalhadores do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais e outros responsáveis, acompanhados pela ministra da Saúde.

Ao que a TVI conseguiu apurar, uma parte deste primeiro lote vai chegar ao Hospital de São João, no Porto, durante esta tarde. 

No total, são 9.750 doses destinadas aos profissionais de saúde dos centros hospitalares universitários do Porto, São João, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central.

Os camiões refrigerados com as doses previstas para países da União Europeia (UE) saíram na quarta-feira de manhã da fábrica belga da farmacêutica norte-americana, situada em Puurs, no nordeste da Bélgica, sob fortes medidas de segurança, com dois veículos das forças policiais a escoltar cada um dos três veículos pesados depois do carregamento.

Vacinação começa domingo

O início da vacinação, prevista para domingo, será uma iniciativa comum aos estados-membros da UE e ocorre na mesma semana em que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) considerou segura a vacina da Pfizer-BioNTech, para a qual concedeu uma autorização “para uso de emergência”, num processo que avançou a uma velocidade inédita.

Este lote “simbólico” de 9.750 doses, como chegou a catalogar o primeiro-ministro, António Costa, foi, todavia, reforçado na quarta-feira com o anúncio pela ministra da Saúde, Marta Temido, da antecipação da entrega de mais 70.200 doses, que têm chegada prevista para segunda-feira, elevando o total disponível para administração até ao final do ano para 79.950 vacinas.

O alargamento do número de vacinas já neste arranque do plano de vacinação contra a covid-19 vai levar, segundo Marta Temido, ao alargamento do número de profissionais selecionados e de hospitais abrangidos, com a ministra a assumir a sua esperança numa cobertura total da rede hospitalar do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Está igualmente prevista a extensão da vacinação nesta etapa às estruturas residenciais para pessoas institucionalizadas.

Entre dezembro e o primeiro trimestre de 2021, que corresponde ao período da primeira fase definida pela ‘task-force’ responsável pelo plano de vacinação, Portugal espera receber 1,2 milhões de vacinas, distribuídas por três períodos: 312.975 doses no acumulado de dezembro e janeiro, 429 mil doses em fevereiro e 487.500 em março.

A propagação de uma nova e mais transmissível estirpe do vírus SARS-CoV-2 nas últimas duas semanas - com particular foco no Reino Unido, mas que já chegou a outros países - lançou algumas dúvidas sobre a eficácia desta vacina. No entanto, a empresa BioNTech já veio assegurar a capacidade técnica para produzir uma nova versão da vacina, caso seja efetivamente necessário.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,7 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo mais de seis mil em Portugal.

Cláudia Évora / Notícia atualizada às 14:04