Um problema de refrigeração no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), em Penafiel, acabou por levar ao desperdício de 113 frascos da vacina contra a covid-19, equivalente a 600 doses da vacina.

Fonte hospitalar confirmou à TVI que estas doses eram destinadas a profissionais de saúde daquela unidade hospitalar, sendo que vai ser aberto um inquérito para apurar o que se passou, estando em avaliação a possibilidade de participação por eventual processo crime.

O problema terá ocorrido na sequência de uma "utilização inadequada do sistema de refrigeração da farmácia do hospital".

O CHTS lamenta a situação, garantindo que foram dadas as instruções adequadas para o manuseamento do produto.

Em curso estão várias diligências para que possam ser repostas as vacinas que ficaram inutilizadas. Novas vacinas devem chegar quinta-feira, com os profissionais de saúde a serem vacinados de imediato.

Atendendo à sensibilidade que esta questão comporta e à sua relevância social, foram ainda determinadas medidas reforçadas de vigilância permanente no local, sempre que existam vacinas para ser administradas", acrescenta nota hospitalar.

As vacinas aprovadas pela União Europeia, e que estão a ser administradas em Portugal, requerem uma refrigeração em temperaturas muito baixas. A da Moderna pode ser mantida a cerca de 20 graus negativos, mas da Pfizer terá de ser armazenada a 70 graus negativos, algo que despoletou um problema desde que o produto começou a ser distribuído.

António Rosa